Tv Correio do Cariri

Seca destrói plantações de coco no Sertão da PB.


O sorriso fácil de seu Joaquim Filho, 55, contrasta com a tristeza que ele enfrenta desde que viu mais 75% da sua plantação de coco padecer em decorrência da falta de chuvas no Sertão do Estado.

O agricultor mora com a família na zona rural do distrito de São Gonçalo, no município de Sousa.

Em novembro de 2012, vendeu as oito cabeças de gado, compradas com muito sacrifício ao longo de toda uma vida de trabalho sob o sol forte do Sertão. “Só Deus sabe o quanto eu trabalhei para conseguir comprar as cabeças de gado, mas não tinha mais condições para manter”, contou.


A cabeça de gado que em condições normais custaria R$ 2 mil, foi entregue por R$ 600,00. “Os animais iam morrer de fome e de sede. Minha única saída foi vender”, declarou. Para seu Joaquim, restou apenas uma vaca e um bezerro, os quais ele cuida com todo o zelo possível, com medo de também ter que vendê-los. “É uma situação difícil. Essa seca tem sido muito cruel com todos nós aqui do Sertão”, disse.

Quando viu a equipe de reportagem chegar, seu Joaquim fez questão de mostrar a plantação de coco dizimada. Enquanto abria a cerca do roçado com as mãos calejadas, o agricultor contava do empréstimo que fez em 2009, no valor de R$ 5,6 mil.

“Peguei o dinheiro para investir na plantação de coco. A primeira parcela será paga em julho próximo, mas já não tenho mais nada. Nem sei como vai ser para pagar ao banco”, disse. Da principal fonte de renda da família de seu Joaquim, o que sobrou foram as folhas secas e a lembrança de dias produtivos de trabalho.

A plantação de coco fica no perímetro irrigado das Várzeas de Sousa, local onde relatos como o de seu Joaquim se multiplicam. Dos 500 pés de coco plantados por ele e os filhos, restaram 114, os quais também estão ameaçados pela falta de chuvas na região. “Só não estou passando fome porque minha mulher é prestadora de serviço no Estado e dois dos meus quatro filhos também trabalham”, afirmou. “Se fosse depender da plantação de coco, a gente não conseguiria nem fazer a feira”, afirmou.

Ele contou ainda que a cada dois meses conseguia retirar dois mil cocos. Agora a produção caiu para zero. Diante da situação difícil, seu Joaquim pensou em ir para a casa das irmãs, em São Paulo, na esperança de arranjar um emprego, mas desistiu por conta da idade e das dores na coluna que muito o incomoda. “O jeito é ficar por aqui mesmo e ir sobrevivendo do jeito que Deus quiser”, frisou. Há quase um ano, a mulher de seu Joaquim assumiu as responsabilidades financeiras da casa. “Isso para um homem do campo é muito vergonhoso”, afirmou.

O agricultor disse que considera esta a pior seca já enfrentada por ele. “Na estiagem de 1993 eu estava começando ainda, não tinha gado e minha terra era bem menor do que é hoje”, contou.

O patrimônio modesto que conseguiu foi resultado de muito trabalho, segundo ele informou. “Eu nunca vi uma Seca tão forte como a que estamos vivendo. É muito sofrimento”, declarou.

Em 2011, quando conseguiu lucrar com a plantação de cocos e a produção de leite, seu Joaquim reformou a casa onde mora com a família. Colocou cerâmica na frente e no piso e trocou o telhado velho por um novo. “Agora ficou melhor para receber as visitas, a casa está mais bonita”, disse. Seu Joaquim revelou que tem muitos outros planos, mas não tem ideia de quando serão realizados. “A situação agora é outra. Sempre digo que a gente não pode gastar mais do que tem”, ressaltou.

A rotina de seu Joaquim atualmente é bem diferente do que ele gosta de fazer, que é trabalhar. A obrigação dele agora se resume a retirar os nove litros de leite da vaca que restou (cada litro é vendido a R$ 1,25). Mesmo sem perspectivas de chuvas para a região, ele disse que tem esperança de que dias melhores virão. “Tenho muita fé em Deus. Por enquanto vou rezando para que Ele mande chuva para gente”, afirmou.
Seca destrói plantações de coco no Sertão da PB. Seca destrói plantações de coco no Sertão da PB. Reviewed by Raíza on 17:11 Rating: 5

Nenhum comentário:

Espaço para interação entre os usuários e o Correio do Cariri. É importante salientar que as opiniões expressas não representam a opinião do nosso portal nem de seus organizadores.

Não somos responsáveis pelo material divulgado pelos usuários.

Tecnologia do Blogger.